A Câmara dos Deputados instalou, hoje (27), a Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e outras Formas de Violência em parceria com a Abrace Programas Preventivos. Criada e presidida pelo deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP), a intenção é desenvolver um trabalho conjunto entre pais, professores, especialistas e legisladores para disseminar a cultura de paz a começar do ambiente escolar.

“Os reflexos do jogo Baleia Azul e da série 13 razões, da Netflix, demonstram que nós precisamos lançar um olhar de mais atenção para o que está acontecendo no universo da criança e do adolescente. Esta frente tem papel fundamental na identificação de propostas legislativas que tenham a pretensão de levantar muros de proteção, como também de mobilização do Parlamento para provocar o Executivo, propondo políticas públicas de prevenção em forma de campanhas, além de buscar diálogo com a sociedade, com o Ministério Público, com o Judiciário, entre outras instituições”, defendeu Lucena.

O parlamentar, que criou e presidiu a mesma frente na legislatura passada, lembrou que a atuação da frente foi muito importante na aprovação da lei de combate ao Bullying (Lei nº 13.185). A nova norma caracteriza claramente as situações de agressão física, psicológica e moral que podem ser consideradas bullying e estabelece regras para definir casos de intimidação realizados por meio da internet.

Durante o evento, foi realizado o seminário “Bullying: da urgência à oportunidade formativa”. O diretor da Abrace Programas Preventivos, Benjamin Horta, explicou que bullying é um conjunto de ações agressivas, intencionais e repetitivas, adotados por um ou mais alunos contra outros alunos. “O aluno está sofrendo bullying quando é exposto a ações negativas de forma repetitiva e apresenta nesta dinâmica dificuldades de se defender”, disse.

benjamim_horta_abrace_programas_preventivos_bullying_frente_parlamentar

Benjamim Horta – diretor da Abrace – Programas Preventivos, instituição responsável pelas ações de combate ao bullying junto à Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e Outras Violências.

Já a professora do Departamento de Psicologia da UFPR), Dra. Lis Soboll, afirmou que a sociedade hoje está centrada nos valores do “reino do dinheiro” onde o trabalho, consumo e tecnologia são fontes de identidade e que há uma crise na relação com o outro. “A consequência são crianças e jovens órfãos de pais ricos e com a sua identidade fragmentada. É uma crise de identidade extremamente danosa”, disse Soboll.

Uma ferramenta virtual colaborativa será disponibilizada para traçar ações e disseminar boas práticas, buscando fortalecer parcerias e dar apoio direto aos profissionais da área.

Sobre o Bullying no Brasil

Pesquisa realizada pelas Nações Unidas mostra que quase metade (43%) das crianças e jovens brasileiras já sofreu bullying por razões como aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem. A taxa é semelhante a outros países da região: Argentina (47,8%), Chile (33,2%), Uruguai (36,7%) e Colômbia (43,5%). Em países desenvolvidos, a taxa também gira em torno de 40% a 50%, como é o caso de Alemanha (35,7%), Noruega (40,4%) e Espanha (39,8%). O levantamento foi realizado no ano passado com 100 mil crianças e jovens de 18 países.